Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Culinária’ Category

Fazia tempo que não postava nada, mas é que tem tanta coisa acontecendo na minha vida, coisas das quais ainda não posso falar, que é complicado achar inspiração para postar como se nada estivesse acontecendo. Mas, como a gente sempre precisa comer, e como inverno é tempo de confort food (sim, faz frio, mesmo aqui na Califórnia), resolvi postar mais uma receitinha, desta vez de torta de cenoura. Gosto muito de bolo de cenoura, seja estilo brasileiro, seja americano, e quando assisti um episódio da Barefoot Contessa com uma receita maravilhosa, simplesmente não resisti, tive que fazer a torta no mesmo dia:

A receita é a seguinte:

Torta de Cenoura e Abacaxi

Torta de Cenoura e Abacaxi

Para a Massa:

2 copos de açucar

1 e 1/3 de copo de óleo vegetal

3 ovos grandes (temperatura ambiente)

1 colher de sopa de extrato de baunilha

2 1/2 copos de farinha de trigo

2 colhers de canela (muito cuidado com a canela, em excesso pode estragar o bolo todo – ouça a voz da experiência!)

2 colheres de fermento de bolo

1 1/2 colher de chá de sal

1 copo de passas e 1 copo de nozes picadas (misturadas em uma colher de trigo para não irem para o fundo da forma)

1/2 quilo de cenoura ralada (manualmente para evitar o acúmulo de líquidos)

1/2 copo de abacaxi fresco (ou em calda – mas se usar em calda escorra bem) picadinhos

Para a cobertura (e recheio):

340 gr de cream cheese, temperatura ambiente

225 gr de manteiga sem sal, temperatura ambiente

1 colher de extrato de baunilha puro

1/2 quilo de açucar de confeiteiro, peneirado

Preparo:

Pré-aqueça o forno a 177ºC, aproveite e unte 2 formas redondas de 20 cm diametro, e forre o fundo com papel de pão, e salpique farinha por cima.

Para o bolo:

Bata o açúcar, óleo e ovos na batedeira, até que se tornem amarelo claro, adicione o extrato de baunilha. Em outro pote, peneire 2 1/2 copos de trigo, a canela (cuidado!), o fermento e o sal.  Adicione os ingredientes secos aos ingredientes já na batedeira. Misture as passas e as nozes com 1 colher de trigo e adicione a massa. Junte também a cenoura ralada e o abacaxi picado. Misture bem.   Divida a massa igualmente entre as duas formas e asse por 55 a 60 minutos, ou até que passe no teste do palito. Deixe os bolos esfriarem completamente antes de desenformar.

Para a cobertura (e recheio)

Misture o cream chesse, manteiga e baunilha na batedeira, adicione o açucar de confeiteiro e continue batendo até que fique um creme lisinho. Coloque um dos bolos com o fundo para cima, adicione uma camada de creme (eu também coloquei um pouco de abacaxi), coloque o segundo bolo, com o fundo para baixo no topo e cubra tudo com o restante do creme, decore com pedaços de abacaxi.

Está pronto para ser servido, mas algumas horas na geladeira deixam essa delícia ainda mais gostosa.

Enjoy!

Read Full Post »

Acabo de descobrir que fiz batata doce assada hoje. Explico: na plaquinha do super dizia yam, que deveria ser o inhame, que é como Denorex, parece, mas não é batata doce. Acontece, que quando essa variedade de batata doce que eu fiz hoje, que tem uma casca meio rosa e o interior laranja vivo, foi introduzida aqui nos usa, eles deram o nome de yam, para diferenciar dos outros tipos de batata doce existentes. Mas, na verdade, não são yams, e sim uma outra variedade de batata doce. E bota doce nisso, adorei.

E sabe o que é melhor? Faz bem a saúde, é rica em beta-carotenos que ajudam na produção de vitamina A no nosso organismo.

Parece que podem ser preparadas como qualquer outra batata doce.

Eu fiz assim:

1. Descasquei, lavei e cortei em rodelas finas duas batas médias.

2. Temperei com sal de alho e óleo de oliva.

3. Deixei assar por unas 20 minutos em forno pré-aquecido.

Foi um sucesso, quando a sopa ficou pronta, já não tinha mais batata pra contar a história.

E você, gosta de batata doce? Já experimentou esse tipo de batata doce? Tem alguma receita pra compartilhar?

Read Full Post »

Quando era criança não gostava de sopas, especialmente aquelas de pacote, tipo sopa maggi ou knorr. A única exceção era a canja de galinha, sempre bem branquinha com caldo ralo, bem inócua, para ser sincera. Felizmente, o tempo e as circunstâncias da vida me fizeram dar uma chance a outros tipos de sopas. Com o tempo, fui descobrindo as minhas favoritas, e a de lentilhas está entre elas. Já tentei fazer sopa de lentilha normal, daquelas que tem que deixar de molho como o feijão, mas sempre ficam mais para cozido do que sopa. Outro dia, antes de ir para o Brasil comprei um pacotinho de lentilhas vermelhas, e essa semana experimentei fazer uma sopinha com elas. E não é que deu certo. A de hoje ja é a terceira que faço. E o melhor, a receita é fácil demais, veja só:

Ingredientes:

– 1 cebola picadinha

– 1 cubinho de caldo knoor (eu uso caldo de carne, mas imagino que tanto o de frango quanto o de legumes devem ficar bons).

– 1 copo de lentilhas vermelhas lavadas (não precisa deixar de molho

– 1 litro de água

Modo de fazer:

– fritar a cebola com o caldo magi até dourar. Acrescentar a lentilha e em seguida a água, deixar cozinhando em fogo brando até que a lentilha se dissolva (mais ou menos 30 minutos). Umas lasquinhas de parmesão e uns biscoitos água e sal e está pronto o seu jantar.

Fiz uma vez, sem muita fé que iria dar certo e já pensando em incrementar depois. Mas o resultado foi tão bom que que não consigo pensar em mais nada  para acrescentar.

E você, se resolver experimentar, passe aqui para dar o veredito, ou quem sabe alguma sugestão.

Read Full Post »

Continuando a tradição de acabar com os ingredientes vencidos ou quase na minha geladeira, e perder o rumo da dieta, hoje foi a vez dos ovos.
 
Sendo a pessoa distraída que sou, não deve espantar ninguém que acabei com duas dúzias inteirinhas de ovos na geladeira, ambas para vencer semana que vem. Quando faço isso fico com uma dor enorme de consciência, mas lembrei que faz tempo que venho querendo fazer uma fritatta e ai fiquei menos culpada. 
Já vi várias receitas nos programas de culinária que gosto de assistir, o problema é que e a fritatta envolve duas etapas, você frita os ingredientes e depois coloca a frigideira no forno para terminar de assar e dar uma coradinha por cima, e nenhuma das minhas frigideiras pode ir ao forno. Mas, como dizem por aqui, isso são apenas “detalhes baby, detalhes!” Então, resolvi adaptar umas receitas que tinha aqui em casa e fiz minha fritata assim:
 
Primeira Etapa:
 

Fritei na minha panela de pressão (pq é a maior da casa) os seguintes ingredientes (que podem variar, para acomodar o que você tiver em sua geladeira): 

– 1 cebola pequena picadinha;

– 1 abobrinha cortada em fatias bem fininhas;

– três fatias de presunto picadinho;

– sal e pimenta a gosto;

 
Segunda Etapa:
 
Pré-aqueci o forno, untei uma forma anti-aderente, coloquei todos os ingredientes fritos no fundo. Bati uma dúzia de ovos, misturei 1 xícara de queijo ralado magro ao ovos. Quando estava prestes a despejar na forma, a cara metade sugeriu colocar uns camarões fritos junto (Ele fez questão de lembrar que a ideia foi dele, então achei por bem o aposto para dar o crédito 😉 ). Então parei  tudo, descongelei o camarão, fritei rapidinho com um pouco de óleo de oliva misturei aos ovos e despejei tudo em cima dos legumes fritos dando uma sacudida na forma para os ovos chegarem ao fundo.
 
Levei tudo ao forno, por 25 minutos. E mais 5 minutos com a grelha superior do forno ligada para dar uma coradinha. Ficou uma delícia e gulosinhos que somos, já traçamos metade 🙂
 
Da próxima vez vou colocar cogumelos e pimentão vermelho. Acho que vai ficar bem bom também. E você, o que faria diferente?
Fritatta

Fritatta

 
P.S.: Só lembrei de postar a receita aqui quando já havíamos comido metade, por isso mais uma foto em pedaços. 🙂

Read Full Post »

Ontem fomos a um evento brasileiro em Los Angeles em comemoração a independência do Brasil. Ficamos pouco tempo, e nem tirei fotos. Já havíamos almoçado e eu estava contando com um pudim de leite de sobremesa, ou na pior das hipóteses, um brigadeirinho. Não achei nem uma coisa nem outra, apenas uma cocada caríssima ($3 dólares!), que não estava ruim, mas também não estava maravilhosa.

Mas, para não sair de mãos abanando, compramos pastel de feira e uns guaranás para fazer um lanche na praia, nossa próxima parada. O guaraná estava uma delícia, mas também, guaraná antártica nunca decepciona, não é mesmo? Os pastéis estavam no mesmo nível da cocada, não estavam ruins, mas também não estavam deliciosos (e nem vou falar do preço exorbitante), e serviram sim para incutir na minha mente (ou no meu estômago), uma vontade de comer mais pastel.

Hoje a noite a vontade aumentou, e resolvi tentar fazer pastéis. O grande problema de pastel aqui é a massa. Não se acha aquela massa de pastel prontinha que a gente encontra em qualquer padaria/mercadinho ai no Brasil. Então, para variar recorri a internet para encontrar uma receitinha de massa de pastel para tentar fazer em casa. Depois de estudar algumas opções, escolhi essa aqui (critério de escolha? – a receita pedia aguardente, e lembrei que as receitas de massa frita que minha mãe costumava fazer em casa sempre pediam cachaça):

Ingredientes:

500 g de farinha de trigo

200 ml água

1 colher (sobremesa) sal

1 colher (sopa) óleo

1 colher (sopa) aguardente

Óleo para fritar

Recheios variados

Modo de fazer:

Aquecer a água e juntar o sal, Misturar e reservar. Colocar a farinha, o óleo e a aguardente em um recipiente. Misturar tudo acrescentando a água com sal reservada anteriormente. Sovar bem até que a massa fique lisinha e homogênea (tive que acrescentar mais trigo para obter aquela consistência similar a massa de pão).

Deixa a massa descansar por aproximadamente 10 minutos. Abra a massa com o rolo, coloque o recheio escolhido, feche e pressione as laterais com as pontas dos dedos. Frite em óleo quente.

Recheie alguns com queijo e outros com queijo e presunto. A parte mais difícil foi conseguir esticar a massa para ficar bem fina, e depois fritar sem deixar queimar ou sem o pastel estourar (o que faz com que respingue óleo para todo lado – mais ainda do que o normal da fritura). Mas o resultado foi bem positivo, e como sempre está ai a foto pois nesse blog só entram receitas testadas pessoalmente na nossa cozinha e aprovadas pelo degustador-mor (ou qualquer desavisado que eu eu achar de cobaia por ai!).

Pastel Caseiro

Pastel Caseiro

P.S.: Tem que dar um desconto para forma, já que com massa caseira é difícil fazer tudo perfeitamente redondinho, ou quadrinho, ou em formato de meia-lua. 😉

Read Full Post »

Bolo de três leites

Bolo de três leites


Hoje fiz um bolo de três leites, ou em espanhol, pastel de tres leches. Esse bolo tem origem latino americana, mas só vim a conhecê-lo aqui nos USA (com TODA essa evidência, minha teoria é de que não é muito comum no Brasil! 😉 ). Segundo a wiki, sua origem exata é disputada entre o México e Nicaragua. Honestamente? Muito pouco me importa quem inventou o danadinho, o importante é que ele existe.

Esta foi minha segunda tentativa. A da semana passada ficou muito sem graça, então nem animei de postar a receita. Mas a de hoje deu certo (sim, sim, já experimentei!). Acho que vai ficar melhor ainda depois de bem geladinho.

Mas o que é o bolo de três leites? O nome já diz, é um bolo que leva três tipos de leite (o leite evaporado, o leite condensado e o creme de leite – de preferência fresco). Na realidade é um pão-de-ló afogado. Você faz o bolo normalmente (fiz o meu num pirex desses que tem tampa, assim, pude afoga-lo lá mesmo!), e depois mistura os três leites e joga a mistura em cima do bolo, que como uma boa esponja (aliás, pão-de-ló chama-se bolo esponja em inglês) absorve todo o líquido, e fica molhadinho. Depois, se quiser, pode cobrir com um glace de nata, umas frutinhas, e está pronto o bolinho.

A receita que usei foi a seguinte:

Para o bolo:

1 copo (250g ) açucar – usei açucar granulado, mas parece que também dá para usar açucar de confeiteiro.

5 ovos separados

1/3 copo de leite

1 colher de chá de essência de baunilha

1 copo de trigo

1 e 1/2 colher de chá de fermento royal

Para o afogamento:

1 lata de leite condensado

1 lata de leite evaporado

1/2 copo de creme de leite fresco, ou 1 lata de creme de leite.

Modo de fazer:

1. Aqueça o forno a 175oC, unte e enfarinhe uma forma refratária.

2. Bata as gemas e 3/4 de copo de açucar até que a mistura fique clarinha e dobre de volume. Adicione o leite, a baunilha, o trigo e o fermento.

3. Bata as claras em neve até formar picos (a receita pede para adicionar o restante do açucar as claras em neve, mas esqueci e não notei diferença, então fica a critério do cheff!). Misture as claras em neve a massa já batida, coloque a mistura na forma untada.

4. Deixe assando por 40 minutos ou até que passe no teste do palito. Deixe esfriar por 10 minutos.

5. Se quiser, pode desenformar o bolo, e transferir para outro recipiente (fundo). Se tiver feito em refratário, pode deixar ele onde está. Faça furinhos em toda a superfície do bolo.

6. Misture o leite condensado e o creme de leite, acrescente o leite evaporado e despeje a mistura sobre o bolo.

Aguarde alguns minutos, acrescente a cobertura de sua preferência e voilá, está pronto o seu bolo de três leites. Guarde o que sobrar (se sobrar) na geladeira.

Parece complicado, mas fora a parte em que tive que correr até o super, pois para variar não tinha o creme de leite em casa, foi bem fácil e rápido. E tudo bem que não é uma receita light, mas acredito que se possa comer de um tudo, sempre com moderação!

Bon Appétit!

Serve: 8 porções (americanas!)

Read Full Post »

Originally uploaded by nossasandancas

Por que nem só de viagens e fotografias se vive, ontem resolvi fazer pão de queijo.
Para quem mora no Brasil, pão de queijo é uma coisa dada, qualquer boteco de esquina oferece pão de queijo. Não tenho provas, mas ouso dizer que o pão de queijo, em tempos de elevado culto a beleza e saúde, está mais popular que a coxinha.

Mas o fato é que pra nós brasileiros que moramos foram da terrinha, achar um pão de queijo prontinho, para comprar na esquina é puro whishful thinking. Quem mora nos grandes centros, onde há aglomerações de brasileiros até encontra pão de queijo congelado, ou a mistura pra fazer em casa. Aqui onde moro, o pão de queijo é algo quase mitológico, a única coisa que achei foi o polvilho doce, no super mexicano que tem na área.

Mas, como o universo conspira positivamente ao meu favor (eu acho!), achei uma mineirinha maneira por aqui, daquelas de verdade verdadeira, que mesmo depois de anos na área ainda não perdeu o sotaque, e ela me passou as dicas básicas de como fazer o tão sonhado e desejado pão de queijo de minas. E não é que deu certo?

A receita acabei buscando no tudo gostoso, pois meu polvilho era doce:

(Update: Estou postando a receita aqui pra facilitar a vida de quem vai encarar fazer o pao de queijo).

Ingredientes:

  • 4 copos(americanos)de polvilho doce (500g)
  • 1 colher de (sopa) fondor maggi ou sal a gosto
  • 2 copos de (americano)de leite (300ml)
  • 1 copo (americano) de óleo (150 ml)
  • 2 ovos grandes ou 3 pequenos
  • 4 copos (americano) de queijo minas meia cura ralado
  • óleo para untar
  • Preparo:

    1. Colocar o polvilho em uma tigela grande
    2. à parte, aquecer o fondor, o leite e o óleo
    3. Quando ferver escaldar o polvilho com essa mistura, mexer muito bem para desfazer pelotinhas
    4. Deixe esfriar
    5. Acrescentar os ovos um a um, alternando com o queijo e sovando bem após cada adição
    6. Untar as mãos com óleo, se necessário
    7. Enrolar bolinhos de 2 (cm) de diâmetro e colocá-los em uma assadeira untada
    8. Levar ao forno médio (180º), pré-quecido
    9. Assar até ficarem douradinhos

    Coloquei menos óleo (sempre me assusta quando falar, um copo de óleo vegetal! – pra que isso tudo minha gente???), o queijo foi no olho, acho que mais do que pedia (o queijo aqui é muito magro). O quente mesmo foi sovar o polvilho com um copo de leite frio, para que o pãozinho cresça melhor (essa foi a dica mais preciosa de minha amiga mineira). Quando você joga o leite lá dentro, fica tudo embolotado. ai tem que ir separando com as mãos até ficar uma farinha rala. O resto do leite ferve com óleo e sal, e segue a receita normalmente. Ficou uma delícia, e está ai a foto pra provar que não estou delirando.

    Melhor de tudo? Sobrou massa para mais umas duas ou três vezes!! 😉

    Update: fiz a receitinha hoje novamente (31/07/2008), acrescentei um tablete de caldo knorr ao leite e óleo, deu um gostinho especial ao pão de queijo. Mas coloquei dois ovos (seguindo a receita do tudo gostoso) e ficou super mole a massa, realmente, mInha amiga mineira tem razão, o polvilho doce pede menos leite e apenas 1 ovo! 🙂

    Read Full Post »