Feeds:
Posts
Comentários

Fazia tempo que não postava nada, mas é que tem tanta coisa acontecendo na minha vida, coisas das quais ainda não posso falar, que é complicado achar inspiração para postar como se nada estivesse acontecendo. Mas, como a gente sempre precisa comer, e como inverno é tempo de confort food (sim, faz frio, mesmo aqui na Califórnia), resolvi postar mais uma receitinha, desta vez de torta de cenoura. Gosto muito de bolo de cenoura, seja estilo brasileiro, seja americano, e quando assisti um episódio da Barefoot Contessa com uma receita maravilhosa, simplesmente não resisti, tive que fazer a torta no mesmo dia:

A receita é a seguinte:

Torta de Cenoura e Abacaxi

Torta de Cenoura e Abacaxi

Para a Massa:

2 copos de açucar

1 e 1/3 de copo de óleo vegetal

3 ovos grandes (temperatura ambiente)

1 colher de sopa de extrato de baunilha

2 1/2 copos de farinha de trigo

2 colhers de canela (muito cuidado com a canela, em excesso pode estragar o bolo todo – ouça a voz da experiência!)

2 colheres de fermento de bolo

1 1/2 colher de chá de sal

1 copo de passas e 1 copo de nozes picadas (misturadas em uma colher de trigo para não irem para o fundo da forma)

1/2 quilo de cenoura ralada (manualmente para evitar o acúmulo de líquidos)

1/2 copo de abacaxi fresco (ou em calda – mas se usar em calda escorra bem) picadinhos

Para a cobertura (e recheio):

340 gr de cream cheese, temperatura ambiente

225 gr de manteiga sem sal, temperatura ambiente

1 colher de extrato de baunilha puro

1/2 quilo de açucar de confeiteiro, peneirado

Preparo:

Pré-aqueça o forno a 177ºC, aproveite e unte 2 formas redondas de 20 cm diametro, e forre o fundo com papel de pão, e salpique farinha por cima.

Para o bolo:

Bata o açúcar, óleo e ovos na batedeira, até que se tornem amarelo claro, adicione o extrato de baunilha. Em outro pote, peneire 2 1/2 copos de trigo, a canela (cuidado!), o fermento e o sal.  Adicione os ingredientes secos aos ingredientes já na batedeira. Misture as passas e as nozes com 1 colher de trigo e adicione a massa. Junte também a cenoura ralada e o abacaxi picado. Misture bem.   Divida a massa igualmente entre as duas formas e asse por 55 a 60 minutos, ou até que passe no teste do palito. Deixe os bolos esfriarem completamente antes de desenformar.

Para a cobertura (e recheio)

Misture o cream chesse, manteiga e baunilha na batedeira, adicione o açucar de confeiteiro e continue batendo até que fique um creme lisinho. Coloque um dos bolos com o fundo para cima, adicione uma camada de creme (eu também coloquei um pouco de abacaxi), coloque o segundo bolo, com o fundo para baixo no topo e cubra tudo com o restante do creme, decore com pedaços de abacaxi.

Está pronto para ser servido, mas algumas horas na geladeira deixam essa delícia ainda mais gostosa.

Enjoy!

O brinquedo redescoberto:II

Faz um tempo já que falei aqui sobre o o meu i(pod) touch e como fiquei fascinada com a possibilidade de usá-lo como um leitor de e-books. Desde então já li uns quantos livrinhos nele, tanto livros em domínio público, quanto livros que comprei de bases de dados, como o ereader.com. Pois bem, ontem estava o maior frenesi online (twitter/blogs/news) pois a Amazon lançou o kindle para iphone. Curiosinha que sou, fui correndo testar, e não é que funciona? Bastou baixar o software, entrar com os dados da conta da Amazon (que eu já tinha), e voilá! Agora posso ter acesso (pagando, logicamente) a toda a base de dados da kindle, com mais de 240.000 livros (número da Amazon). Ok, não é tão simples, primeiro você compra os livros online ou via itunes e so então eles ficam disponíveis para download.

Mas as novidades não param por ai, uma visita rápida a appstore acabou me levando a novas descobertas, agora eles tem mais um catatau de leitores de e-books, incluindo o beamitdown (que está oferencendo o conto do Curious Case of Benjamim Button de F. Scott Fitzgerald gratuitamente), que permite que se leia o texto no estilo cinematrográfico, ou seja, o texto vai subindo na tela enquanto você lê,sendo que a velocidade pode ser regulada conforme inclina ou reclina o itouch. Além disso, algumas apps também permitem que você leia quadrinhso no itouch, nem sou tão fã de quadrinhos, mas achei bem legal, baixei  Flash Gordon e um Mangá.

Enfim, nem lembro mais onde andam meus fones de ouvido! 😉

Só uma coisa me chateia, sei que deve ter muitos outros aplicativos para lá de interessantes que ainda não encontrei!

Acabo de descobrir que fiz batata doce assada hoje. Explico: na plaquinha do super dizia yam, que deveria ser o inhame, que é como Denorex, parece, mas não é batata doce. Acontece, que quando essa variedade de batata doce que eu fiz hoje, que tem uma casca meio rosa e o interior laranja vivo, foi introduzida aqui nos usa, eles deram o nome de yam, para diferenciar dos outros tipos de batata doce existentes. Mas, na verdade, não são yams, e sim uma outra variedade de batata doce. E bota doce nisso, adorei.

E sabe o que é melhor? Faz bem a saúde, é rica em beta-carotenos que ajudam na produção de vitamina A no nosso organismo.

Parece que podem ser preparadas como qualquer outra batata doce.

Eu fiz assim:

1. Descasquei, lavei e cortei em rodelas finas duas batas médias.

2. Temperei com sal de alho e óleo de oliva.

3. Deixei assar por unas 20 minutos em forno pré-aquecido.

Foi um sucesso, quando a sopa ficou pronta, já não tinha mais batata pra contar a história.

E você, gosta de batata doce? Já experimentou esse tipo de batata doce? Tem alguma receita pra compartilhar?

Sopa de lentilha vermelha

Quando era criança não gostava de sopas, especialmente aquelas de pacote, tipo sopa maggi ou knorr. A única exceção era a canja de galinha, sempre bem branquinha com caldo ralo, bem inócua, para ser sincera. Felizmente, o tempo e as circunstâncias da vida me fizeram dar uma chance a outros tipos de sopas. Com o tempo, fui descobrindo as minhas favoritas, e a de lentilhas está entre elas. Já tentei fazer sopa de lentilha normal, daquelas que tem que deixar de molho como o feijão, mas sempre ficam mais para cozido do que sopa. Outro dia, antes de ir para o Brasil comprei um pacotinho de lentilhas vermelhas, e essa semana experimentei fazer uma sopinha com elas. E não é que deu certo. A de hoje ja é a terceira que faço. E o melhor, a receita é fácil demais, veja só:

Ingredientes:

– 1 cebola picadinha

– 1 cubinho de caldo knoor (eu uso caldo de carne, mas imagino que tanto o de frango quanto o de legumes devem ficar bons).

– 1 copo de lentilhas vermelhas lavadas (não precisa deixar de molho

– 1 litro de água

Modo de fazer:

– fritar a cebola com o caldo magi até dourar. Acrescentar a lentilha e em seguida a água, deixar cozinhando em fogo brando até que a lentilha se dissolva (mais ou menos 30 minutos). Umas lasquinhas de parmesão e uns biscoitos água e sal e está pronto o seu jantar.

Fiz uma vez, sem muita fé que iria dar certo e já pensando em incrementar depois. Mas o resultado foi tão bom que que não consigo pensar em mais nada  para acrescentar.

E você, se resolver experimentar, passe aqui para dar o veredito, ou quem sabe alguma sugestão.

O que você anda lendo?

A minha biblioteca pessoal cresceu bastante com essa visita ao Brasil.Vejam só o que está na fila de leitura e também o que andei lendo por esses dias:

Órfãos do Eldorado, de Milton Hatoun, pela Companhia das Letras. Eu li dois irmãos do Milton Hatoun, comprei em Manaus mesmo, e fiquei encantada. Não só por ser gostoso reconhecer o lugar onde você está passeando na história, mas pelo enredo e a facilidade do autor com as letras. Tenho grandes expectativas para esse livro, mas ainda não deu nem pra chegar muito perto. Esse comprei na nova Livraria Cultura de campinas (no Shopping Iguatemi), que está fantástica, junto com a mairoria dos outros (levei até listinha pra não esquecer de nada. Valeu a pena.

Minúsculos Assassinatos e Alguns copos de Leite, de Fal Azevedo, pela Editora Rocco. , A Fal tem um blog (www.dropsdafal.blogbrasil.com.br). Comecei a dar uma olhada para escrever algo aqui, e acho que vou gostar e mais não vou dizer pois já estou com vontade de chorar (vai entender?) Esse também comprei na cultura.

– Exorcize sua alma gorda. Um guia para mudar de habitos e emagrecer pra sempre, de Andréa Cordoniz, pela editora Matrix. Acho que vai render umas boas risadas, para compensar a choradeira do anterior.

Doidas e Santas, de Martha Medeiros, pela L&PM editores. Que eu escolhi a esmo num passeio pelas livrarias catarinenses em Floripa. É uma coletânea de crônicas, já li algumas. São divertidas.

O Presidente Negro, Monteiro Lobato, pela Editora Globo. Adoro as histórias de Monteiro Lobato e pensar que em 1926 ele já imaginava (mesmo que no ambiente da ficção) um presidente americano negro tornou o livro irresistível.

Além desses, ganhei de natal da cara-metade (será que ainda tem hífen?) o “The Huffington Post Complete Guide to Blogging”, que já devorei na semana em que passamos na praia, morgando. Pra quem não sabe, o Huffington Post é um blog político pioneiro no mundo dos blogs (que nasceu da oposição ao governo Bush e sua “doutrina”) e cuja influência política cresceu de forma estratosférica desde sua criação.  Um dos segredos é o número enorme de colaboradores, o que faz com que haja sempre alguma novidade no ar. Sua idealizadora, Ariana Huffington, tornou-se uma celebridade no mundo dos comentaristas políticos atuais. Não sou sua maior fã, mas tenho que admitir que ela teve uma idéia brilhante e sabe, como ninguém, capitalizar em cima disso. O livro aborda a criação de um blog do ponto de vista de quem vai fazer isso pra viver, mas dá várias dicas ótimas para quem, como eu, bloga como hobby. Não sei quando vai sair uma tradução para o Português, mas a versão em inglês está disponível na Amazon.

Também comprei um livro do Humberto Eco, “Quase a Mesma Coisa. Experiências de Tradução”, que, se for tão bom quanto a crítica indica, deve ser uma obra prima. Já comecei a ler, e acho que vai ser mesmo bom assim. Também comprei um livrinho do Celso Luft sobre o uso da vírgula. Quanto mais escrevo, mas percebo o quanto ainda tenho que me aperfeiçoar no português, e um manual desses pode vir bem a calhar. Já comecei a ler, mas acho que vai ser mais um livro de consulta do que qualquer outra coisa.

E você o que andou lendo na minha ausência?

Segundo um estudo recente publicado no  New York Times, o consumo de café está relacionado a menores riscos de demência. Os pesquisadores acompanharam os hábito de consumo de café de um grupo de 1409 pessoas por mais de 21 anos, e concluiram que as pessoas que tomavam de três a cinco copos de café por dia, tinham 65% menos chance de desenvolver algum tipo de demência  (isso já descontando outros fatores de risco, como diabetes tipo 2, pressão alta, etc). Ta, tudo bem, eles também disseram que é um estudo de observação ainda, e que não há como saber se passar a tomar café mais café diariamente passa a proteger alguém, mas, mesmo assim, eu que sou cafezeira confessa (devo sim tomar mais de três copos por dia), fiquei feliz. Mais uma boa desculpa para tomar o meu pretinho de cada dia. Aliás, faltou saber se o café era puro, ou se podia ser com leite, hehe.

E você, gostou da novidade?

Home sweet home!

41561234.florianopolis

Floripa, do alto do Morro da Cruz - (c) André Goldstein

Depois de mais de 6 semanas de viagem (quatro semanas em Floripa, uma em Campinas e uma no litoral paulista) estou de volta.

Primeiro, quero dizer que admiro demais as pessoas que conseguem viajar e blogar ao mesmo tempo. Além disso, passei a admirar muito os brasileiros que conseguem manter um blog, mesmo com todos os outros compromissos do dia a dia (Pra falar a verdade, basta responder um email com uma certa agilidade e já viro fã de carteirinha). Confesso que fiquei praticamente fora do ar durante a viagem. Até chequei emails que estava esperando e fiz algumas pesquisas, além de alguns projetos tradutórios, mas faltou tempo e energia para blogar. A sensação, enquanto estava lá, é que o tempo no Brasil passa diferente.

E mesmo com em seis semanas de dedicação exclusiva, parece que falta tempo pra fazer tudo que a gente quer. Mas deu pra matar as saudades da família e rever alguns amigos (nem todos, infelizmente!). Curti bastante meus pais e meus afilhados, que para meu espanto, já são quase pré-adolescentes! Mas, sem tirar o privilégio de ninguém, tenho que confessar que a coisa mais importante que aconteceu na minha vida foi conhecer meu sobrinho!

Ele é lindo, um fofo, nem sei como consegui me controlar pra não morder ele todinho, e apesar de estar bem atras na lista de preferências dele, acho que nos demos bem. Cheguei a tempo de aproveitar a festa de 1 ano e também o natal em família. Um lado meu gostaria de tê-lo conhecido bem bebezinho, mas sei que não poderia ter feito as duas viagens, então acho que foi bom esperar, assim pudemos interagir mais, e logo ele já sabia quem era a tia Gi! Sei que de agora pra frente tudo vai acontecer muito rápido (só para vocês terem uma idéia, ele estava praticamente só engatinhando quando cheguei e quando saí de Floripa ele já estava quase andando, agora -três semanas depois – ele já está andando sozinho). Então, o jeito é contar com o poder cibernético para acompanhar tudo pela webcam!

As coisas mais mundanas que fiz na viagem, vou contando aos poucos, em futuros posts.

E você, o que andou fazendo nessas últimas semanas?

P.S.: Para dificultar ainda mais minha vida de blogueira, o WP mudou tudo de lugar pora qui, to mais perdida do que cego em tiroteio (isso sem falar na reforma ortográfica!).